"Não admito desistir. Quem está ao serviço de um país não desiste" - Henrique Neto

Henrique Neto, faz acontecer, o cidadão candidato, por uma nova república, presidenciais, presidenciais 2016, candidato presidenciais, candidatos presidenciais, presidenciais Portugal,eleições presidenciais, eleições presidenciais portuguesas de 2016, candidato independente, candidato presidenciais independente

18

Dez

"Não admito desistir. Quem está ao serviço de um país não desiste" - Henrique Neto

Ontem à noite concedi uma entrevista à SIC Notícias. Poderá, agora, ver ou rever na íntegra a minha participação na antena da estação de notícias da televisão de Carnaxide. Poderá clicar no link abaixo. 

O candidato presidencial Henrique Neto recusou, para já, expressar apoio a qualquer outro candidato numa eventual segunda volta, assegurando hoje que no que depender dele Marcelo Rebelo de Sousa não será eleito.

À margem de um almoço com empresários em Lisboa organizado pela Associação Industrial Portuguesa e pela Confederação Empresarial de Portugal, Henrique Neto foi questionado pelos jornalistas se apoiaria o candidato da esquerda que passasse a uma segunda volta nas eleições presidenciais e foi perentório ao responder que não.
"Não me estou a ver neste momento, não tenho nenhuma determinação em apoiar qualquer outro candidato porque, neste momento, apoio-me a mim próprio, estou na candidatura para isso e não antevejo qualquer outra solução", disse.

Interrogado se prefere não apoiar nenhum candidato da esquerda numa segunda volta e poder deixar Marcelo Rebelo de Sousa vencer, Henrique Neto assegurou que naquilo que depender dele "o candidato Marcelo Rebelo de Sousa não será eleito", mas que "isso dependerá dos portugueses".

O candidato a Belém considera ser aquele que está melhor preparado para esta fase do país, em que existe um "certo bloqueio político, institucional, em que o país empobrece todos os dias e não se vê solução à vista".

"Acho que precisamos de um candidato que tenha a experiência, a sabedoria, tenha estudado os problemas, tenha dito quais são as soluções e tenha convicções. Por isso, não creio que me sinta motivado para votar em qualquer outro", enfatizou.

Hoje, depois de entregar as assinaturas no Tribunal Constitucional, a candidata presidencial Marisa Matias defendeu que, numa eventual segunda volta das eleições presidenciais, todos os candidatos ou candidatas de esquerda devem unir-se para derrotar a "candidatura da direita".

Sobre o regresso da 'troika' a Portugal, depois das presidenciais, para uma avaliação sobre a situação das finanças públicas portuguesas, Henrique Neto considerou "normal", defendendo que "a festa que existiu sobre a saída da 'troika' não tinha grande razão de ser".

"Por um lado, porque a 'troika' tinha obrigado Portugal a fazer algumas coisas que tinha que fazer em qualquer dos casos e, por outro, apesar de se ir embora nós sabemos que continuamos tão dependentes do sistema financeiro mundial e tão dependentes do problema da dívida como estávamos antes da 'troika' sair. Ela voltar durante algum tempo é perfeitamente normal", concretizou.
Concretamente sobre o setor empresarial e o contributo que um Presidente da República pode dar, o empresário defendeu que o chefe de Estado "pode ter ideias claras sobre qual é a direção do processo de desenvolvimento do país e, com persuasão e pedagogia, tentar convencer o Governo da melhor direção para o desenvolvimento do país".

Para Henrique Neto, é preciso ter em Belém "um Presidente da República cujo único critério é o interesse nacional", considerando que um chefe de Estado "não pode sobreviver sem o apoio dos portugueses" e por isso "tem que ser popular sem ser populista".